ALMIR LIMA/AGÊNCIA O DIA
ALMIR LIMA/AGÊNCIA O DIA

Sob guerra do tráfico, Angra dos Reis recebe reforço da PM

Cidade do Rio decretou estado de emergência por causa de confrontos; número de ônibus nas ruas já foi reduzido

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2018 | 21h13

RIO - Em estado de emergência por causa do confronto entre quadrilhas rivais de traficantes, Angra dos Reis, na Costa Verde fluminense, recebeu na quarta e nesta quinta-feira, 23, reforço da Polícia Militar. Essa guerra tem causado tiroteios constantes em favelas perto da BR-101 (Rio-Santos). Três veículos foram incendiados nos últimos dias, e o número de ônibus nas ruas foi reduzido pelas empresas.

Um dos principais destinos turísticos do Rio, por suas ilhas, praias e mar limpo, Angra tem 170 mil habitantes e vive grave escalada da criminalidade. Segundo o Instituto de Segurança Pública, a soma de homicídios dolosos e decorrentes de ações policiais, roubos seguidos de morte e casos de lesão corporal seguida de morte é de 41 casos entre janeiro e julho de 2014. No mesmo período deste ano, foram 117 ocorrências.

A PM informou que a situação estava “mais tranquila” nesta quinta. O prefeito Fernando Jordão (MDB) esteve com o ministro-chefe da Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, na quarta, para tratar da crise na cidade, que abriga duas usinas nucleares. O ministro prometeu um blindado, mas o veículo só será enviado em setembro.

Segundo Jordão, já houve assaltos em agências bancárias dentro da área das usinas, assim como bloqueios em trechos da BR-101. A Eletronuclear informou que Angra 1 e Angra 2 estão operando com plena capacidade. Declarou também que tem “plena capacidade de efetuar as operações do seu Plano de Emergência Local” e afirmou que o contato com o secretário de Segurança do Estado, general Richard Nunes, é diário. 

Segundo o 33.º Batalhão da PM, policiais já reforçaram o patrulhamento em pontos críticos e atuam “preventivamente diante dos confrontos entre criminosos nas comunidades do Belém e Bracuí, que ocorreram nos últimos dias”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.