WILTON JUNIOR / ESTADAO
WILTON JUNIOR / ESTADAO

Sobe para 28 o número de mortos em operação da Polícia Civil no Jacarezinho

Três novos óbitos foram informados pela polícia, que não esclareceu onde elas foram encontradas. Ministro do STF pediu investigação sobre o caso e disse haver indícios de execução arbitrária

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2021 | 21h01

O número de pessoas mortas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro durante operação realizada na quinta-feira, 6, na favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio, subiu para 27 no final da tarde desta sexta-feira, 7. Até esta quinta-feira eram 24. Um policial civil também morreu durante a operação, fazendo o número total de óbitos chegar a 28. A Polícia Civil não esclareceu em quais circunstâncias essas três novas vítimas foram localizadas.

Mais cedo, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu ao procurador-geral da República, Augusto Aras, uma investigação sobre a operação. O magistrado alertou Aras que a operação no Jacarezinho era um caso grave e que há indícios de execução arbitrária no episódio. Um ofício semelhante foi enviado ao procurador-geral de Justiça do Estado do Rio, Luciano Oliveira Mattos de Souza.

Moradores relataram, nas redes sociais, que houve abuso policial na ação. As denúncias vão desde invasão de residências e confisco de celulares até execução de pessoas e descaracterização das cenas onde houve mortes. “Ouvimos muitos relatos de violação de domicílios, mortes. Muitos muros e portas cravejados de balas”, conta Maria Júlia Miranda, defensora pública. 

Tudo o que sabemos sobre:
Jacarezinho [Rio de Janeiro]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.