Sobe para sete número de mortos em ação da PM no Rio

Policiais aprenderam armas durante operação nos morros da Pedreira, Lagartixa e Quitanda, na zona oeste

Solange Spigliatti e Pedro Dantas, estadao.com.br e O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2008 | 11h49

Subiu para sete o número de pessoas que morreram nesta sexta-feira, 9, durante incursão de rotina do 9º Batalhão de Polícia Militar de Rocha Miranda, nos morros da Pedreira, Lagartixa e Quitanda, em Costa Barros, na zona oeste do Rio.   De acordo com a polícia, todos eram traficantes e morreram ao trocar tiros com os policiais. Os baleados chegaram a ser encaminhados ao Hospital Carlos Chagas, mas não resistiram aos ferimentos e morreram. A primeira informação passada pela PM dizia que eram cinco os mortos na operação.   O comandante do 9º BPM, o tenente-coronel Robson Batalha, afirmou que a operação foi realizada para estourar um paiol de drogas e armas na favela. "A mortes aconteceram devido à resistência dos criminosos contra a ação da polícia", disse o tenente-coronel. Apenas um homem foi detido e liberado em seguida.   A PM apreendeu dois fuzis, uma submetralhadora, três pistolas, quatro bombas artesanais, um revólver calibre 38 e um carregador de fuzil. Na casa apontada como paiol de traficantes também foram encontrados 26 tabletes de maconha, vários sacolés de cocaína e munição para fuzil.   Revoltados com a operação, alguns moradores ameaçaram protestar e o policiamento foi reforçado. Segundo eles, houve execuções de inocentes e abuso de autoridade durante a ação policial.   Texto atualizado às 14h20

Tudo o que sabemos sobre:
Rio de Janeirofavelaoperação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.