Superlotado, Complexo Penitenciário em Bangu sofre falta d'água

Situação no presídio, que abriga 50.555 presos, contingente 85% maior do que a capacidade, de 27.242 vagas

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2017 | 16h38

RIO – O Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio, sofreu com falta d’água nesta semana, marcada também pelo calor.

Vídeos registrados pelos próprios presos e que circularam em redes sociais mostraram a situação no presídio, que abriga 50.555 presos, contingente 85% maior do que a capacidade, de 27.242 vagas. O abastecimento não havia sido restabelecido pela Cedae, companhia de água e esgoto do Rio, até a tarde deste domingo. 

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que, para solucionar o problema, foram enviados carros pipas para o complexo. A Cedae culpou o aumento da demanda. “Nos últimos dias, devido ao forte calor, houve um aumento de consumo em cerca de 30% no local”, diz uma nota enviada pela companhia. 

Além disto, segundo a Cedae, uma tentativa de furto de água provocou um vazamento na adutora que abastece o complexo penitenciário. A companhia teve de reduzir a pressão da água na rede para realizar a manutenção.

“O sistema de adução já está normalizado e a partir desta noite a situação do abastecimento dos presídios será restabelecida. A Cedae está reforçando o abastecimento dos presídios através de carros-pipa e garante que não faltará água no complexo de Gericinó. Além disso, foi implantada nova rede de abastecimento para reforçar o complexo prisional, que entrará em carga ainda esta semana, aumentando o aporte de água para esta região”, diz a nota.

O Estado apurou, com servidores que trabalham no sistema penitenciário fluminense, que é comum a falta d’água no local. 

Veja o vídeo registrado pelos presos:

Mais conteúdo sobre:
Cedae

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.