Richard Santos/Prefeitura do Rio.
Richard Santos/Prefeitura do Rio.

Suspeito de envolvimento na construção dos prédios de Muzema, no Rio, se entrega

Rafael Gomes da Costa, de 26 anos, era procurado e se apresentou à Polícia Civil fluminense

Vinicius Neder, O Estado de S. Paulo

18 de maio de 2019 | 21h14

RIO - Um dos suspeitos de envolvimento na construção irregular de prédios de apartamentos que desabaram na favela da Muzema, zona oeste do Rio, se entregou na tarde deste sábado à Polícia Civil. O desabamento de dois edifícios, no mês passado, deixou 24 mortos. A favela é dominada por uma milícia e há suspeita de envolvimento dos milicianos com a construção dos edifícios.

Rafael Gomes da Costa, 26 anos, era procurado pela polícia e estava foragido. À TV Globo, Costa disse que não sabia que os imóveis eram irregulares, negou qualquer envolvimento com milicianos e afirmou que comprou e vendeu dois apartamentos num dos prédios que desabou para moradia própria.

Para a delegada Adriana Belém, porém, a ligação com milicianos não está descartada. “Quem constrói aquilo, certamente pediu autorização”, disse Belém, em entrevista à TV Globo.

Além de Costa, são procurados e estão foragidos José Bezerra de Lima, conhecido como Zé do Rolo, responsável pela construção dos imóveis, e Renato Siqueira Ribeiro. Ribeiro e Costa atuariam como vendedores dos apartamentos construídos irregularmente.

No início deste mês, a Polícia Civil cumpriu 20 mandados de busca e apreensão como parte das investigações sobre o caso. O objetivo era buscar documentos e computadores. Os mandados foram cumpridos em endereços das zonas sul e norte do Rio, na Baixada Fluminense, em Pernambuco e na Paraíba.

Um dos locais que foi alvo das buscas nesta manhã é a sede da Associação de Moradores da Muzema, apontada por testemunhas como uma espécie de imobiliária informal do condomínio onde os prédios desabaram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.