Suspeitos do sumiço de líder de favela no Rio são PMs

A polícia informou nesta segunda-feira, 10, já ter três suspeitos do desaparecimento do líder comunitário Jorge Siqueira da Silva Neto, levado por cinco homens em Rocha Miranda, zona norte do Rio, na última sexta-feira. Eles seriam policiais militares que queriam se vingar de Neto, que durante meses denunciou a participação de PMs na milícia da favela Kelson's, na Penha, zona norte. Pela manhã, parentes de Neto colheram sangue na Academia de Polícia para confrontar com o corpo mutilado e carbonizado encontrado em Campo Grande, no domingo. O exame de DNA pode demorar até 30 dias para ficar pronto, segundo a polícia. No domingo, a mulher de Neto disse ver semelhanças do marido com corpo, que estava mutilado. De acordo com a 40ª Delegacia, que investiga o caso, foi oferecido à família que entrasse para o Programa de Proteção a Testemunhas, mas nem todos os parentes aceitaram.

TALITA FIGUEIREDO, Agencia Estado

10 Setembro 2007 | 19h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.