Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Suspensão de escolta foi negligente, diz família de juíza morta no Rio

Cerca de 300 pessoas acompanharam enterro entre juízes, promotores, advogados e autoridades

Bruno Boghossian,

12 Agosto 2011 | 19h30

RIO  - Parentes da juíza Patrícia Acioli reagiram com revolta à execução da magistrada e classificaram como negligente a suspensão de sua escolta particular. Ao mesmo tempo, autoridades que participaram do sepultamento no cemitério de Maruí, em Niterói, circulavam protegidas por seguranças. "Se isso aconteceu, é porque em algum momento o Estado falhou", disse um parente que pediu para não ser identificado, durante o sepultamento. "Ela morreu porque acreditava na Justiça, mas o sistema falhou. A bandidagem perdeu o medo do Estado."

O enterro foi acompanhado por cerca de 300 pessoas, incluindo juízes, promotores e advogados, que aplaudiram Patrícia durante o cortejo e o sepultamento de seu corpo. O governador Sérgio Cabral e o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, não compareceram ao sepultamento. Mais cedo, Cabral declarou que o crime "é um desafio à ordem pública e ao estado democrático de direito". Beltrame classificou o crime como bárbaro e afirmou que "o momento é de investigar, apresentar resultados e falar pouco".

Representantes do Judiciário garantiram que não recuarão diante do assassinato e que pretendem intensificar as investigações contra os grupos criminosos da região. "Vamos montar uma força-tarefa na região de São Gonçalo para mostrar que, quanto mais nos atacarem, mais vamos pressioná-los", declarou o desembargador Antonio Cesar Siqueira, presidente da Associação de Magistrados do Rio (Amaerj). "Temos de tomar medidas drásticas. Não vamos nos acovardar e não vamos arredar um milímetro."

O Ministério Público também estuda a possibilidade de aumentar o número de promotores em atuação em São Gonçalo e promete reforçar a segurança dos profissionais. No condomínio em que Patrícia morava com os três filhos, no bairro de Piratininga, em Niterói, vizinhos contam que os tiros foram ouvidos em toda a rua.

O local é considerado tranquilo, mas, como as casas ficam em uma área de pouco movimento, dezenas de câmeras de segurança estão espalhadas pelas ruas. No Fórum de São Gonçalo, o gabinete da juíza foi lacrado pelo Departamento de Segurança Institucional do Tribunal de Justiça. As bandeiras passaram o dia a meio mastro e o cartório da 4ª Vara Criminal não prestou atendimento hoje, "por motivo de luto".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.