Gabriela Biló/estadão
Gabriela Biló/estadão

Teich vai ao Rio em momento de agravamento da epidemia; mais de 440 pessoas aguardam vaga em UTI

Estado já tem 1.394 mortes pela doença e sistema de saúde está sobrecarregado

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2020 | 11h30

RIO DE JANEIRO - A visita do ministro da Saúde, Nelson Teich, ao Rio nesta sexta-feira, 8, coincide com o momento em que o estado e a capital fluminense enfrentam um agravamento nas condições de combate ao novo coronavírus. Somente nos últimos quatro dias, o Rio de Janeiro confirmou 330 mortes por covid-19 e 2.440 novos casos da doença. Ao todo, já são 1.394 óbitos e 14.156 testes positivos para o coronavírus no Estado.

Na quinta, 7, o Rio de Janeiro contabilizou 189 mortes em um dia, mais que São Paulo, epicentro da doença, que teve 161 mortes registradas no mesmo dia. O crescimento da curva mostra que a inauguração de 799 novos leitos desde o início da pandemia não foi suficiente para atender a demanda. Há pelo menos 442 pacientes confirmados ou com suspeita de covid-19 aguardando vaga em uma UTI. A promessa dos governos é de que 700 novos leitos serão abertos ainda este mês.

O sistema público de saúde opera no limite há pelo menos duas semanas. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), somente duas unidades da rede estadual - Hospital Regional Zilda Arns (cujas taxas de ocupação são de 89% na enfermaria e 86% na UTI) e o Hospital de Campanha Lagoa-Barra (onde há 101 pacientes internados, 70 em leitos de UTI) — ainda possuem leitos livres para pacientes com covid-19.

Ao mesmo tempo em que corre para não ver seu sistema de saúde entrar em colapso, tanto o governo do estado quanto o da capital tentam apertar o isolamento social, que vem caindo nas últimas semanas. O Estado flagrou grande movimentação de pessoas em calçadões junto às praias do Rio no feriado de 1º de maio. Esta semana, a movimentação no bairro de Campo Grande, na zona oeste - que apresentou grande crescimento no número de casos e de mortes por covid-19 nos últimos dias - fez a prefeitura do Rio bloquear alguns acessos na região. A medida será ampliada para outros bairros da zona oeste e deverá chegar à zona sul nas próximas semanas.

A cidade de Niterói, no Grande Rio, anunciou que irá multar pessoas que estiverem nas ruas sem comprovar necessidade. O governador Wilson Witzel (PSC), por sua vez, já admite que poderá realizar bloqueio de estradas e restringir a circulação de veículos em todo o estado.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.