Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Temer diz que Rio de Janeiro deve receber até R$ 800 milhões

Verba deve ser destinada via medida provisória a ser editada ainda nesta semana; aporte de pasta da Segurança deve ser de R$ 3 bi

Carla Araújo e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 17h04

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer (MDB) disse nesta segunda-feira, 19, que a verba para auxiliar ações de intervenção na segurança do Rio de Janeiro deve ficar entre R$ 600 milhões e R$ 800 milhões. Segundo o presidente, os valores serão destinados via medida provisória que deve ser editada ainda nesta semana, possivelmente na quarta-feira, 21. Temer disse ainda que o Ministério Extraordinário da Segurança deve receber um aporte de R$ 3 bilhões. 

+++ Morte de Marielle faz Temer cancelar balanço de um mês de intervenção

No domingo, 18, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, já havia informado que o governo vai publicar a medida provisória para abrir crédito extraordinário para a segurança pública do Rio. Na ocasião, o ministro não citou o valor total, mas afirmou que deve ultrapassar R$ 1 bilhão.

+++ ‘A intervenção no Rio não privilegia presença de tropas nas ruas. É gerencial’, diz general

Na manhã desta segunda, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, destacou, em entrevista à Rádio CBN, a relevância do projeto que trata da reoneração da folha de pagamento das empresas como fonte de recursos para projetos prioritários, como a segurança do Rio.

+++ Lewandowski manda ao Plenário ação que pede suspensão da intervenção no Rio

Meirelles afirmou que despesas específicas relacionadas à União ou ajudas mais específicas estão sendo agora avaliadas. As Forças Armadas, de acordo com ele, ainda não deram um número.

"Mas o ministro (Dyogo Oliveira) indicou ontem que isso pode ser na casa de R$ 1 bilhão, mas são ainda avaliações preliminares. Não tem ainda uma definição clara", ponderou o ministro da Fazenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.