Infográfico/Estadão
Infográfico/Estadão

Dilma e Temer lamentam mortes por desabamento de ciclovia

Presidente em exercício divulgou gravação com mensagem de solidariedade; Dilma, que está nos EUA, publicou texto no Facebook

André Borges, O Estado de S. Paulo

21 Abril 2016 | 20h45

BRASÍLIA - O vice-presidente Michel Temer e a presidente Dilma lamentaram a morte das vítimas do desabamento da ciclovia na zona sul do Rio de Janeiro. Em gravação, o presidente em exercício se solidarizou com as famílias de ao menos duas pessoas que passavam pelo trecho da ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer, inaugurada em janeiro. Dilma, que está em viagem aos Estados Unidos, publicou mensagem no Facebook. 

“Em razão do lamentável acidente ocorrido no Rio de Janeiro, eu quero, em primeiro lugar, solidarizar-me com os familiares das vítimas, familiares que perderam entes queridos. Em segundo lugar, esperar que as apurações sejam feita e que, realizadas, possam detectar os eventuais equívocos que geraram este lamentável acidente”, disse Temer.

Temer, que estava em São Paulo, chegou nesta noite de quinta-feira, 21, em Brasília e está no Palácio do Jaburu. Segundo sua assessoria, não tem compromissos oficiais nesta noite. Ele assumiu interinamente a Presidência da República com o embarque de Dilma para os Estados Unidos, onde vai assinar o Acordo de Paris sobre o clima, na sede da ONU.

No Facebook, Dilma disse que "foi com grande tristeza que tomou conhecimento do acidente ocorrido na ciclovia Tim Maia, em São Conrado, no Rio de Janeiro". "Expresso meu mais profundo pesar aos familiares e amigos das vítimas e manifesto meu desejo de pronta recuperação dos feridos", disse ainda. 

A estrutura da ciclovia teria sido levada pela força da ressaca do mar de São Conrado, na zona sul do Rio de Janeiro. O engenheiro Eduardo Marinho Albuquerque, de 54 anos, e um homem de 45 anos, cuja identidade não foi divulgada, foram as duas vítimas. Outras três pessoas teriam ficado feridas. Os dois corpos foram localizados no mar de São Conrado por bombeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.