Reprodução
Reprodução

Temer promete prolongar ações de segurança no Rio até o ano que vem

Após encontro com presidente, Maia também gravou vídeo dizendo ter 'certeza de que os índices de violência estarão diminuindo'

André Borges, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2017 | 18h04

BRASÍLIA - As ações tomadas pelo governo federal para tentar combater a violência no Rio de Janeiro devem continuar no ano que vem. Foi o que disse neste domingo, 6, o presidente Michel Temer (PMDB) em um vídeo divulgado nas redes sociais, após encontro no Palácio do Planalto com ministros e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Deputado do Estado, Maia também comentou as ações, em outra gravação compartilhada na internet.

Temer disse que o Plano Nacional de Segurança, traçado há mais de seis meses, prevê ações específicas para lidar com a situação caótica que vive o Estado. O presidente, porém, não informou detalhes sobre a continuidade do plano. 

“Para o Rio de Janeiro, há uma programação extensa, que vai inicialmente até 31 de dezembro e que depois será ampliada também para o ano que vem”, disse Temer. Nas duas últimas semanas, afirmou o presidente, já começaram a ocorrer “ações concretas para debelar o crime no Rio de Janeiro”.

A segunda fase da Operação Rio Quer Segurança e Paz mobilizou cerca de 5 mil agentes das Forças Armadas e das polícias Federal, Militar e Civil, além da Força Nacional de Segurança, e usou 71 blindados e outros veículos e até helicópteros. A ação prendeu 14 pessoas e apreendeu apenas três pistolas, na região de favelas do Complexo do Lins. Três pessoas morreram: um policial, em um acidente com uma viatura, e dois suspeitos em confronto com a PM.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, reconheceu que a megaoperação contra o roubo de cargas deflagrada no sábado, 5, não teve um "resultado espetacular". Em evento na Base Naval de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, o ministro classificou como "razoável" o que se obteve. 

“Eu vejo, como pressentimos, que há reações. E estas reações já se deram agora, dar-se-ão mais adiante, mas serão amplamente e fortemente combatidas pelas forças federais que estão no Rio de Janeiro”, comentou Temer.

Temer destacou a atuação conjunta do Exército com as polícias civil, militar e a guarda municipal. “Vamos trabalhar, vamos enfrente, vamos combater a crimimalidade no Rio de Janeiro e no Brasil.”

Já Maia disse que tem "certeza de que os índices de violência estarão diminuindo brevemente no nosso Estado". "Foram presas muitas pessoas e a reação veio. E ela virá sempre. Mas tenho certeza que o governo federal, com o governo do Estado, vai continuar esse trabalho", disse o presidente da Câmara. No vídeo de menos de 1 minuto, Maia também falou rapidamente sobre políticas sociais. "Paralelo a isso, vamos recuperar os nossos jovens. Nós precisamos recuperar os nossos jovens, que foram atraídos pelo tráfico de drogas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.