Tenente é baleado após tentativa de assalto no Rio

Carlos Henrique de Oliveira Melo leva tiro no olho e sobrevive, mas seu estado de saúde é gravíssimo

Clarissa Thomé, do Estadão,

22 de novembro de 2007 | 19h21

O tenente reformado do Exército Carlos Henrique de Oliveira Melo, de 32 anos, levou um tiro no olho direito disparado por um homem que tentou roubar seu carro, um Peugeot, na Pavuna, subúrbio do Rio, na noite de quarta-feira, 21. Melo perdeu a direção do veículo e bateu contra o muro de uma casa. No choque, o filho de 4 anos fraturou o braço. Moradores contaram que o assaltante ainda atirou na direção dos vizinhos, que tentavam socorrer pai e filho. Melo estava a poucos metros de sua casa quando um homem saiu de um matagal, num trecho junto à linha férrea. Armado, ele fez sinal para o tenente parar, mas Melo acelerou. O criminoso, então, disparou. O tenente ainda dirigiu por alguns metros, até bater no muro. A frente do carro ficou destruída. Seu filho, além da fratura no braço esquerdo, teve um corte na boca e contusões. O som dos tiros e a batida atraíram a atenção de vizinhos. Quando eles se aproximavam, o criminoso voltou a fazer disparos, antes de fugir. Os moradores voltaram para suas casas e aguardaram a chegada da polícia. Assustados, nenhum deles se apresentou como testemunha. "As pessoas estão atemorizadas", comentou o delegado Sérgio Freire, substituto da Delegacia da Pavuna. "Estamos com policiais nas ruas tentando convencer algum morador a falar." Pai e filho foram levados por uma ambulância do Corpo de Bombeiros para o Hospital Estadual Getúlio Vargas. Melo foi operado e seu estado de saúde é considerado gravíssimo. Na noite de terça-feira, o capitão do Exército Vander Cerqueira de Souza, de 36 anos, foi morto com um tiro de fuzil, também numa tentativa de roubo de automóvel, em Deodoro, zona oeste. A mulher dele, a psicóloga Cláudia Valéria de Souza, de 34 anos, grávida de 7 meses, foi atingida por um tiro no joelho e passa bem. O filho do casal, de 1 ano e 3 meses nada sofreu.

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaTiroteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.