Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Testemunha envolve vereador e ex-policial em morte de Marielle, diz jornal

Segundo O Globo, homem procurou a polícia para acusar vereador Marcello Siciliano e ex-policial Orlando Oliveira de Araújo de planejar morte. Vereadora teria incomodado atuação de milícia

O Estado de S.Paulo

08 Maio 2018 | 20h51
Atualizado 09 Maio 2018 | 17h28

RIO - Um homem que prestou serviços a uma milícia atuante na zona oeste do Rio de Janeiro procurou a polícia para acusar o vereador Marcello Siciliano (PHS) e o ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo de planejar a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL). Ela foi assassinada em 14 de março no centro do Rio, com o motorista Anderson Gomes. O homem disse à polícia ter testemunhado pelo menos quatro conversas entre Siciliano e Araújo, nas quais a dupla debateu o assassinato da vereadora. As informações sobre o depoimento prestado por essa testemunha à Delegacia de Homicídios do Rio foram divulgados na noite desta terça-feira pelo site do jornal O Globo.

+ Projeto propõe pena máxima de 40 anos e federalização de casos de milícias

+ Quem matou e quem mandou matar Marielle?

Segundo o jornal, essa testemunha narrou à polícia que as conversas sobre a morte de Marielle começaram em junho de 2017. O motivo: a parlamentar do PSOL passou a promover ações comunitárias em bairros da zona oeste que, embora controlados por traficantes, seriam de interesse da milícia. Segundo o jornal carioca, a testemunha relatou que a milícia chefiada por Araújo domina a Vila Sapê, favela de Curicica a partir da qual os milicianos atacam traficantes da Cidade de Deus. Marielle teria começado a realizar ações sociais na Cidade de Deus, uma das bases eleitorais de Siciliano, que segundo a testestemunha temia perder votos. A intervenção de Marielle também atrapalhava os planos de Araújo de expulsar os traficantes e dominar a comunidade.

As conversas sobre o assassinato de Marielle teriam começado em junho passado, mas só em fevereiro deste ano Araújo, preso na Penitenciária Bandeira Stampa (Bangu 9) desde outubro passado, teria dado a ordem para o crime. Segundo O Globo, a testemunha afirmou que o ex-PM ordenou que dois homens de sua confiança clonassem um carro - os responsáveis por esse serviço já teriam sido identificados pela Polícia. 

O Cobalt prata clonado chegou a circular antes do crime na comunidade da Merck, na zona oeste, outra favela dominada pela mílicia de Araújo.

Segundo a testemunha, um homem identificado como Thiago Macaco foi incumbido de identificar a rotina da vereadora, como os lugares que ela costumava frequentar e os trajetos que usava regularmente, inclusive ao sair da Câmara de Vereadores.

Marielle foi morta na Rua Joaquim Palhares, no Estácio (região central do Rio), quando seguia para casa, na Tijuca (zona norte). Ela havia saído de um evento na Lapa (centro) e estava em um Cobalt branco, dirigido por Anderson Gomes. Uma assessora a acompanhava. Na esquina da rua Joaquim Palhares e João Paulo I, um Cobalt prata emparelhou com o veículo onde a vereadora estava e foram disparados vários tiros. A vereadora e o motorista morreram na hora. A assessora sobreviveu ilesa. Os criminosos fugiram.

Depois da morte de Marielle, pelo menos dois outros assassinatos foram cometidos como “queima de arquivo”, segundo a testemunha. Uma dessas vítimas foi Carlos Alexandre Pereira Maria, de 37 anos, o Alexandre Cabeça, colaborador de Siciliano, morto em 8 de abril. O corpo dele foi abandonado em um carro na Estrada Curumau, em Boiúna, na região de Jacarepaguá (zona oeste). A outra vítima seria o PM reformado Anderson Claudio da Silva, de 48 anos, atingido por vários tiros, inclusive de fuzil, ao entrar em seu carro, na Praça Miguel Osório, no Recreio dos Bandeirantes (zona oeste), em 10 de abril.

A testemunha contou à polícia que instalava equipamentos de TV a cabo em uma favela e estava regularizando o serviço quando a área foi dominada pela mílicia liderada por Araújo. A testemunha teria sido ameaçada de morte e obrigada a trabalhar para os milicianos. “Fui coagido: ou morria ou entrava para o grupo paramilitar. Virei uma espécie de segurança dele. Também ficava responsável por levar o filho para a escola; acompanhava a mulher de Orlando para compras em shoppings”, contou a testemunha à Delegacia de Homicídios do Rio, segundo “O Globo”. Ele teria trabalhado para a milícia por cerca de dois anos.

Resposta. Em nota, o vereador Marcello Siciliano afirmou que a acusação de que ele queria a morte de Marielle é "totalmente falsa". Siciliano afirma que não conhece o ex-PM Araújo e classificou como "uma covardia tentarem me incriminar dessa forma". "Marielle, além de colega de trabalho, era minha amiga. Tínhamos projetos de lei juntos. Essa acusação causa um sentimento de revolta por não ter qualquer fundamento. Eu, assim como muitos, já esperava que esse caso fosse elucidado o mais rápido possível. Agora, desejo ainda mais celeridade", completa a nota. O Estado não localizou a defesa do ex-PM Orlando Oliveira de Araújo para se pronunciar sobre as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.