Tiroteio deixa um morto e um ferido em Copacabana

Policiais faziam patrulhamento de rotina na favela Pavão-Pavãozinho quando foram recebidos a tiros

Vinicius Neder, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2015 | 18h17

(Atualização às 21h)

RIO - Um homem morreu e um adolescente ficou ferido após tiroteio entre policiais e criminosos na favela Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, zona sul do Rio, onde funciona uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Polícia Militar (PM). Segundo o Comando de Polícia Pacificadora, policiais da UPP instalada no Pavão-Pavãozinho faziam policiamento de rotina na localidade conhecida como Serafim, quando foram recebidos a tiros, por volta de 11h.

Baleados, o homem e o adolescente foram levados para o Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, também na zona sul. O homem, identificado pela PM como Klenbison Eduardo Souza de Santana, não resistiu aos ferimentos e morreu. O adolescente, ferido com um tiro na mão, segue internado e seu estado de saúde é estável, segundo a Secretaria Municipal de Saúde do Rio.

Santana teria envolvimento com o tráfico de drogas, segundo o comando das UPPs. "Uma pistola e um rádio transmissor foram apreendidos" com ele, diz uma nota enviada pela PM.

O jornal O Globo informou que tiros atingiram os vidros da portaria e de uma janela de um dos apartamentos de um edifício na esquina da Rua Sá Ferreira com a Rua Raul Pompeia, área densamente ocupada de Copacabana, próxima a um dos acessos ao Pavão-Pavãozinho. Testemunhas disseram ao jornal que houve correria e que o tiroteio durou cerca de 15 minutos.

Segundo o Comando de Polícia Pacificadora, o policiamento foi reforçado no Pavão-Pavãozinho, com o apoio de outras UPPs.

Um inquérito para apurar a morte de Santana, que seria gerente do tráfico no Pavão-Pavãozinho, foi aberto na 12ª Delegacia de Polícia (DP), em Copacabana. "As armas dos policiais foram apreendidas e encaminhadas para perícia. Agentes realizam diligencias em busca de testemunhas que ajudem nas investigações", informou a assessoria de imprensa da Polícia Civil. 

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Copacabana violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.