Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Tiroteios após intervenção aumentam de 1.299 para 1.502 no Rio

Dado, do Observatório da Intervenção Militar, refere-se aos dois meses da medida; nem interventor nem secretaria comentaram estudo

Roberta Jansen, O Estado de S. Paulo

26 Abril 2018 | 12h28
Atualizado 26 Abril 2018 | 18h49

Com o título À Deriva: Sem Programa, Sem Resultado, Sem Rumo, o Observatório da Intervenção Militar no Rio de Janeiro, da Universidade Cândido Mendes, divulgou nesta quinta-feira, 26, o seu primeiro relatório, mostrando que os tiroteios aumentaram 15,6% na cidade após a chegada dos militares.

Segundo o relatório, o número de tiroteios subiu de 1.299 nos dois meses antes da intervenção para 1.502 nos dois meses de ocupação. Durante os dois meses de intervenção foram registradas 294 mortes e 193 feridos, informou o relatório da Cândido Mendes.

O Observatório não utilizou o mesmo período do ano passado para fazer a comparação porque o Rio enfrentava, na ocasião, greve da Polícia Civil, o que fez com quem parte das ocorrências policiais não fossem registradas, inviabilizando a comparação.

O levantamento aponta que, em 70 operações monitoradas entre 16 de fevereiro e 16 de abril, em que foram empregados 40 mil homens, apenas 140 armas foram apreendidas, sendo que 25 pessoas morreram.

+++ 139 dos 159 presos acusados de integrar milícia não eram investigados

Em resposta ao relatório, o Gabinete de Intervenção Federal informou, em nota divulgada no início da tarde desta quinta, que está "dedicado aos objetivos estabelecidos de diminuir progressivamente os índices de criminalidade e fortalecer as instituições da área de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. Medidas emergenciais e estruturantes estão sendo tomadas e serão observadas ao longo do período previsto de Intervenção Federal, conforme decreto   nº 9.288 de 16 de fevereiro de 2018".

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, minimizou nesta quinta-feira, 26, os dados do Observatório da Intervenção Militar no Rio de Janeiro, da Universidade Cândido Mendes,  e citou exemplos de outros locais onde processos de mudanças na segurança geraram reações e no primeiro momento aumentaram alguns índices de criminalidade. 

"Todos os processos de mudança que você teve em Medelín, em Bogotá, no início desse processo que levou a superação daquela situação, eles tiveram um acréscimo no início de casos como esses", comentou em relação ao aumento do número de tiroteios revelado pelo relatório.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.