Traficantes tentam bloquear Avenida Brasil para roubar motoristas

Policiais que passavam pelo local impediram a tentativa de arrastão, mas houve troca de tiros

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2014 | 13h27

RIO - Traficantes armados do Morro do Chaves tentaram bloquear a Avenida Brasil na altura de Costa Barros, zona oeste do Rio, na manhã deste domingo, 5, para roubar motoristas.

De acordo com informações do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BPVE), uma viatura de outra unidade da Polícia Militar do Rio de Janeiro (Pmerj) passava pelo local e impediu a tentativa de arrastão, que ocorreu por volta de 10h40. A via expressa não chegou a ser bloqueada, mas houve breve troca de tiros.

Após expulsarem os traficantes, que na fuga retornaram ao Morro do Chaves, os policiais acionaram do BPVE, que reforçou o patrulhamento no local. Ninguém foi preso.

Na quarta-feira, 1°, a Avenida Brasil teve o trânsito interditado diversas vezes na altura da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em função de tiroteios. Pedestres e passageiros de ônibus tiveram de se proteger dos tiros, durante o confronto que envolveu traficantes do Complexo da Maré e policiais militares, numa operação que contou com agentes da Força de Pacificação da Maré e do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Um tanque do Exército chegou a ser posicionado na pista como escudo de proteção.

No dia seguinte, o secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame, afirmou acreditar em uma "predisposição" para confrontos no período eleitoral. "Não posso dizer que está relacionado com as eleições, mas pode haver uma predisposição para isso. Esse é um movimento do tráfico no sentido de (querer) desmoralizar totalmente o trabalho de pacificação. Quem sabe pretendendo que esse processo não continue porque isso (os conflitos) é uma demonstração de que prejuízos estão acontecendo a esses marginais", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.