Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Tráfico da Vila Kennedy recoloca barricadas, cinco horas após ação de militares

'O poder público está sendo ridicularizado pelos traficantes', diz morador

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

04 Março 2018 | 18h20

RIO - Moradores da Vila Kennedy, favela da zona oeste do Rio, relataram neste domingo, 4, que as barricadas do tráfico de drogas retiradas pelas Forças Armadas, numa operação que durou todo o sábado, já estavam de volta nas ruas cinco horas depois. “O poder público está sendo ridicularizado pelos traficantes. Eles trouxeram 1,4 mil homens e retiraram 16 barricadas. À noite, três ou quatro viciados que trabalham para o tráfico colocaram de volta”, lamentou um morador ouvido pela reportagem do Estado.

No sábado, os militares foram embora por volta das 17 horas, contaram os moradores. Às 22 horas, os criminosos já estavam recolocando os obstáculos, usados por eles para que o interior da comunidade fique inacessível às forças de segurança e a possíveis invasões de bandos rivais. A prática é antiga em favelas dominadas por traficantes. Eles instalam barreiras diversas, desde sofás velhos até trilhos de trem concretados no asfalto. Para remover as mais pesadas, os militares vêm usando retroescavadeiras.

+++ No Rio, ex-militares ensinam táticas de guerra do Exército a facções criminosas

Moradores entrevistados pela reportagem relataram desesperança. Eles apoiavam a intervenção federal na segurança do Rio, em vigor há 16 dias, mas agora creem que esta será uma medida sem efeito de longo prazo. “Está ridículo. O fato de os traficantes recolocarem no lugar mostra a fragilidade e o despreparo da Forças Armadas”, disse um deles. 

“A gente não precisa de militar, e sim de escola, de posto de saúde. A gente tem certeza absoluta de que não vai adiantar nada. No início, fizeram grande propaganda, disseram que iriam tomar a comunidade de volta. Mas o que se viu (no sábado) foram oito horas de trabalho. Eles chegam, dão o expediente deles e vão embora”, criticou um outro.

Revista. No sábado, além das desobstruções, os militares revistaram 720 pessoas e 617 veículos. Os resultados não foram volumosos: foram apreendidos 12 cartuchos de pistola 9mm, 10 carros e 6 motos. Eles efetuaram cinco prisões, sendo uma em decorrência de mandado e outras quatro em flagrante delito: uma por desacato a militar, uma por desobediência e duas por posse de entorpecentes. Segundo moradores, os traficantes já sabiam da chegada das equipes e fugiram antes.

+++ Sem sair de casa, amigos 'caçam' tiroteios em tempo real no Rio

Foi a quarta vez dos militares na Vila Kennedy desde o início da intervenção. Das outras vezes, os bandidos também recolocaram as barreiras tão logo as tropas saíram. “Perdemos a esperança. Já o primeiro dia foi decepcionante. A verba que estão usando para trazer esse aparato todo, todo o maquinário (para retirar as barricadas), seria mais bem aproveitada em escolas, cursos, iniciativas que a comunidade realmente pudesse aproveitar”, lamentou um rapaz.  

O Comando Conjunto de Operações divulgou que as informações estão sendo analisadas pelo seu setor inteligência, “em estreita ligação com a Secretaria de Segurança do Rio”, e “serão utilizadas no planejamento de medidas apropriadas por parte do Gabinete de Intervenção Federal”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.