Trechos do depoimento da estudante contra Sininho

RIO - Uma traição amorosa na cúpula da organização rotulada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público de quadrilha armada ajudou os investigadores a apurar como agia o grupo responsabilizado pelo comando dos protestos violentos que ocorreram no Rio a partir de junho de 2013. Confira trechos do depoimento que Anne Josephine Louise Marie Rosencrantz prestou à Polícia Civil:

O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2014 | 19h23

"Na época em que começaram os atos violentos nos protestos, a declarante viu Sininho mandando manifestantes buscarem três galões de gasolina. (...) Viu Sininho subindo a escada da Câmara e alguns manifestantes atrás dela carregando os três galões, de aproximadamente dez litros de gasolina. Alguns manifestantes comentaram que a atitude de Sininho poderia fazer com que eles fossem presos, que isso não havia sido combinado pelos manifestantes.”

“Já tinha manifestante tacando coquetéis molotov na Câmara e que os galões de gasolina também seriam utilizados para incendiar a Câmara.”

“Game Over e outros manifestantes ficaram contra Sininho e mandaram retirar os galões da Câmara.”

“Quando começou a frequentar os atos, Sininho disse que a declarante deveria respeitar a hierarquia do movimento, que teria de conquistar seu espaço e não aproveitar o fato de ser esposa de Game Over.”

Mais conteúdo sobre:
RioSininho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.