Wilton Junior/ESTADÃO
Wilton Junior/ESTADÃO

Tropas saem das ruas do Rio

Após quatro dias de ações na cidade, soldados voltam para os quartéis e se preparam para futuras ações

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2017 | 17h21

RIO - Todos os militares que reforçam a segurança do Rio desde a sexta-feira, 28, deixaram as ruas e voltaram aos quartéis nesta quarta-feira, 2. Não há mais equipes de guarda nas principais vias, nem carros blindados estacionados em pontos turísticos da capital fluminense.

De acordo com o Estado-Maior Conjunto da operação, criado pelo decreto que autorizou o envio das forças ao Rio, as tropas “encontram-se em quartéis, realizando preparativos para ações futuras”. A medida foi tomada após cinco dias de ações de reconhecimento dos militares nas ruas do Rio, informaram os militares. A próxima fase será o apoio dos soldados em operações de inteligência das polícias civil e militar.

No momento, os soldados se ocupam de atividades como o planejamento para emprego da tropa, o preparo de uniformes, equipamentos, armamentos, munições, e são feitos treinamentos e ensaios para ações específicas, de acordo com o comando da operação. 

Além disso, viaturas, blindados, aeronaves e embarcações são revisados, abastecidos, armados e municiados, e rádios comunicadores são sintonizados, informaram os comandantes da ação.

“Particularmente em operações conjuntas, como a que se vive, essa fase é importante para entrosar as equipes que serão empregadas em conjunto, respeitando suas características de emprego”, explicou, em nota, o Estado-Maior Conjunto.

A retirada das tropas após este reconhecimento já havia sido anunciada pelo ministro de Defesa Raul Jungmann, quando explicou o Plano Nacional de Segurança Pública.

Anúncio. Na véspera da retirada total das tropas das ruas, o governo federal lançou, na televisão, um anúncio que mostra militares em ação em favelas no Rio. Ao fundo, uma voz lê o texto: “Meu nome é Sebastião e estou ferido. Ferido, mas não me entrego. Sigo em frente, cheio de vida, alegria e beleza. A batalha pode ter tirado a minha paz, mas não a minha esperança. Agora, mais do que nunca, eu resisto, sabendo que essa luta não é só minha, mas de todos nós. Meu nome é Sebastião, São Sebastião do Rio de Janeiro, e o meu sobrenome é Brasil”. 

No fim,  uma voz feminina diz: "Defender o Rio é proteger o Brasil, e essa luta é de todos nós". Também é lançada a hashtag #rioeudefendo. O anúncio foi exibido na noite de terça, 1º.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.