Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

'Tudo bandido', diz Mourão, sem provas, em referência aos 24 mortos pela polícia no Rio

O vice-presidente da República deu a declaração ao chegar para despachar no Palácio do Planalto

Lauriberto Pompeu, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2021 | 12h37
Atualizado 07 de maio de 2021 | 21h32

BRASÍLIA - O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, classificou nesta sexta-feira, 7, como "bandidos" os mortos na operação policial mais letal da história do Rio de Janeiro, na favela do Jacarezinho.

“Tudo bandido! Entra um policial numa operação normal e leva um tiro na cabeça de cima de uma laje. Lamentavelmente, essas quadrilhas do narcotráfico são verdadeiras narcoguerrilhas, têm controle sobre determinadas áreas e é um problema da cidade do Rio de Janeiro”, declarou o militar ao chegar para despachar no Palácio do Planalto.

“É um problema sério da cidade do Rio de Janeiro, que vamos ter que resolver um dia ou outro”, completou o vice-presidente.

Um dia depois da operação policial que matou 28 pessoas na favela do Jacarezinho, um grupo com cerca de 50 pessoas realizou uma manifestação em frente à Cidade da Polícia, que reúne delegacias especializadas da Polícia Civil, nesta sexta. A operação de quinta-feira foi realizada por 250 agentes da corporação.

A Operação Exceptis ocorreu a partir das 6 horas de quinta-feira, 6, pela Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), em conjunto com outras delegacias da Polícia Civil do Rio, com o objetivo de prender 21 acusados de aliciar crianças e adolescentes para o tráfico de drogas na comunidade.

Depois da ação que resultou em 25 mortes, o Ministério Público informou que adotou medidas para verificar os fatos, “de modo a permitir a abertura de investigação independente para apuração dos fatos, com a adoção das medidas de responsabilização aplicáveis”. Por decisão do Supremo Tribunal Federal, operações policiais no Rio estão restritas durante a pandemia.

O caso teve repercussão internacional. O escritório de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu uma investigação independente. A operação realizada na quinta-feira, na qual helicópteros foram usados, ocorreu em uma longa história de "desproporcional e desnecessário" uso da força pela polícia, disse o porta-voz da ONU para Direitos Humanos Rupert Colville em uma entrevista da organização em Genebra.  

Um dos mais importantes institutos de estudos da violência, o Igarapé, também criticou a operação. Afirmou em nota que é inaceitável o Estado continuar apostando na letalidade como principal estratégia de segurança, sobretudo em lugares mais pobres.

"Privilegiar o confronto indiscriminado coloca nossa sociedade e nossos agentes públicos em perigo.  De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), a polícia do Rio foi responsável pela morte de 453 pessoas entre janeiro e março deste ano. O número já representava 36% do total registrado em 2020, quando foram registradas 1.245 vítimas", diz o texto.

Já a Comissão Arns manifestou “seu mais veemente repúdio” à operação realizada pela Polícia Civil do Rio na favela do Jacarezinho. “É inaceitável que esta chacina aconteça em meio à pandemia”, diz o texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.