Túnel Rebouças é liberado após uma semana de interdição

Cedae entra com ação contra a Prefeitura, que atribui o deslizamento a vazamento em tubulação da empresa

31 Outubro 2007 | 07h38

O Túnel Rebouças, principal ligação entre as zonas norte e sul do Rio de Janeiro, foi totalmente liberado na madrugada desta quarta-feira, 31, depois de ficar uma semana interditado devido aos deslizamentos causados pelas chuvas. Segundo informações da Rádio CBN, a saída para o Cosme Velho, na zona sul, só será liberada após o término dos trabalhos de retirada das cerca de 7 mil toneladas de terra que deslizaram.     Motivo do deslizamento no Túnel Rebouças virou motivo de briga entre o Cedae e a Prefeitura   Na terça-feira, 30, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) entrou com ação indenizatória contra o secretário municipal de Obras do Rio, Eider Dantas, em razão das declarações que ele havia dado sobre a possibilidade de o deslizamento de terra que fechou o Túnel Rebouças ter sido causado por vazamento em tubulações da empresa.   A Cedae pede reparo aos danos à sua imagem no valor de R$ 100 mil. "Essas acusações fazem parte da cortina de fumaça do secretário tentando distrair a população para os reais problemas do município como construções irregulares, falta de investimento em contenção de encostas e o lixo que entope as galerias", afirmou o diretor jurídico da empresa, Leonardo Espíndola.   Caso a Cedae ganhe a ação, segundo Espíndola, o valor será usado em obras sociais da Favela Cerro-Corá, sobre o Rebouças. De acordo com o secretário municipal de Transportes, Arolde de Oliveira, só uma chuva forte poderia impedir a abertura do túnel nesta quarta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.