TV Estadão | 16.07.2015
TV Estadão | 16.07.2015

Uber faz campanha para que Paes vete proibição ao aplicativo

Projeto prevê multa de R$ 2 mil para condutores e empresas que oferecerem transporte individual irregular

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2015 | 13h41

RIO - A equipe responsável pelo aplicativo Uber, que oferece serviços de transporte em quatro cidades brasileiras (São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Brasília), criou uma campanha pela internet, divulgada nas redes sociais, para que usuários peçam por e-mail que o prefeito do Rio, Eduardo Paes, vete o Projeto de Lei 122/15, que proíbe o funcionamento do aplicativo. 

"Soluções inovadoras e inteligentes para antigos problemas têm sido marca desta gestão, e neste momento o prefeito é o único que pode impedir que isso se torne Lei. Diga a ele que você apoia a decisão de vetar esse projeto e peça que ele defenda seu direito de escolha", pede a equipe do Uber, no site oficial do aplicativo. 

O projeto de lei, de autoria do vereador Jorge Felippe (PMDB), foi aprovado no último dia 25. A multa estabelecida para condutores e empresas que oferecerem transporte individual irregular, pelo texto, é de R$ 2 mil. Dos 48 vereadores, 43 votaram a favor e somente 1 contra. O projeto aguarda a sanção de Paes. 

No dia 31 de agosto, o Uber já havia publicado uma carta aberta, onde pedia diretamente a Paes que vetasse o projeto aprovado. "Temos apenas um pedido: para que ele não permita que a tecnologia e a inovação sejam banidas do Rio de Janeiro, como fez a Câmara Municipal, sem antes ouvir a sociedade", dizia o texto. 

Na carta aberta, o Uber ressalta que uma petição elaborada por usuários a favor do aplicativo no Rio juntou 8,5 mil assinaturas. "O projeto que foi aprovado pelos vereadores privilegia uma categoria, colocando em segundo plano a população", afirmou a empresa. 

Nesta quarta, em entrevista no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff declarou que o Uber "tira o emprego dos taxistas". Reconheceu, no entanto, que "a tecnologia sempre produziu isso no mundo", após lembrar que seu avô era seleiro. "Você imagina o que aconteceu com emprego dele quando apareceram os carros. A vida é assim", comentou ela, ao observar que o tema "é uma polêmica". 

Mais conteúdo sobre:
Uber Eduardo Paes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.