Marcelo Sayão/EFE
Marcelo Sayão/EFE

'Uma criancinha foi embora por causa da irresponsabilidade do polícia', diz motorista

Condutor de Kombi voltou a afirmar em depoimento que não havia tiroteio no momento da morte da menina Ágatha

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2019 | 13h13

RIO - O motorista da Kombi em que a menina Ágatha Vitória Sales Félix, de 8 anos, estava quando foi baleada e morta na última sexta-feira, 20, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, voltou a afirmar que o tiro partiu de um policial militar e que não havia tiroteio no momento do crime.

"Uma criancinha foi embora por causa da irresponsabilidade do polícia", afirmou o motorista, que ainda não teve o nome identificado. "Não houve tiroteio."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Uma criancinha foi embora por causa da irresponsabilidade do polícia
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
motorista da Kombi onde a menina Ágatha estava

Ele prestou depoimento por cerca de duas horas e meia na Delegacia de Homicídios da Capital na manhã desta terça-feira, 24. Foi o segundo depoimento do condutor. 

A Kombi, que foi periciada, permanece estacionada na delegacia. É possível ver a marca da bala no banco traseiro do veículo.

No enterro de Ágatha, no domingo, 22, o motorista já havia afirmado que a bala partiu da polícia. Essa também é a versão de familiares e testemunhas.

  

'Eldorado Expresso': Manifestantes protestam no Rio contra política de segurança de Witzel; assista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.