Uma pessoa morre e outra fica ferida em confrontos entre traficantes no Rio

Quatro comunidades registraram tiroteios entre a noite de sábado e a manhã deste domingo; ninguém foi preso até o momento

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

17 Maio 2015 | 16h50

RIO - Quatro favelas do Rio que contam com ocupação permanente de forças de segurança registraram confrontos com traficantes de drogas entre a noite de sábado e a manhã deste domingo, 17. No Morro da Mangueira, na zona norte, que tem uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), o comerciante Alexandre Oliveira, de 36 anos, que saía para o trabalho, morreu na porta de casa, diante de duas filhas, de seis e três anos.

Oliveira foi atingido na cabeça depois de se despedir das crianças. Ele tinha outros dois filhos e sua mulher está grávida do quinto. O crime foi por volta das 21 horas de sábado. A casa dele fica em frente a um contêiner da UPP. A família está revoltada, disse que o socorro foi demorado e que pretende processar o Estado. Segundo a polícia, traficantes que resistem à presença da UPP enfrentaram os PMs, daí o tiroteio. Ninguém foi preso.

Na manhã deste domingo, na Vila dos Pinheiros, no Complexo da Maré, na zona norte - de onde as Forças Armadas, depois de ocupação de um ano, estão saindo gradualmente para dar lugar à PM -, um morador ficou ferido numa troca de tiros com traficantes. Militares informaram que faziam patrulhamento de rotina quando foram atacados. Não foram divulgadas informações sobre a vítima, apenas que o tiro teria sido disparado por um criminoso. A substituição de 3.300 militares pela PM começou no dia 1º de abril e vai até 30 de junho.

Na Rocinha, na zona sul, que conta com uma UPP, moradores se assustaram com intenso tiroteio neste domingo, por volta das 9h30. Segundo a UPP, policiais foram atacados por criminosos. Ninguém foi preso.

No Complexo do Alemão, na zona norte, que também tem UPP, foi ouvida longa troca de tiros de manhã. A polícia afirma que os traficantes provocaram o embate. Não foram divulgadas informações sobre feridos nem sobre prisões. 

Mais conteúdo sobre:
Tiroteio violência Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.