Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Uma semana depois da saída das Forças Armadas, tiroteio deixa dois mortos e uma ferida na Rocinha

Tiroteios aconteceram entre criminosos e policiais militares; moradora de 16 anos foi baleada em casa

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 18h34

RIO - Uma semana depois da saída das Forças Armadas da Rocinha, um tiroteio entre criminosos e policiais militares terminou com dois criminosos mortos e uma moradora ferida no fim da madrugada desta sexta-feira, 6. Durante a tarde, moradores também relataram intensa troca de tiros.

+++ Megaoperação prende dez e apreende dois jovens no Morro dos Macacos

Eles lamentaram a instabilidade na favela diante da disputa entre os traficantes Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, ainda no comando do controle da venda de drogas no morro, e Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem. Ele está preso em uma penitenciária federal em Rondônia, mas mantém influência sobre comparsas, que tentaram assumir o tráfico na comunidade no dia 17.

“As Forças Armadas saem, e a gente está novamente entregue aos tiroteios. Escolas já não abriram e o povo fica com medo de sair para trabalhar. Ninguém sabe o que vai acontecer daqui para frente”, contou um morador.

Em vídeos compartilhados em redes sociais, é possível ouvir a intensidade do tiroteio da tarde. Uma foto feita por moradores registra o momento em que um PM retirou o corpo de um criminoso baleado com um carrinho. Ele foi levado para o Hospital Miguel Couto, onde morreu, assim como o comparsa.

A moradora baleada tem 16 anos e foi ferida em casa, logo depois de acordar. Está internada e não corre risco de vida. A Polícia apreendeu na favela um fuzil, uma pistola e munições. A Rocinha está ocupada por cerca de 550 PMs.

Confrontos também aconteceram an terça-feira, 3, e o efetivo foi aumentado (eram 500 até então), com PMs do Batalhão de Polícia Rodoviária e do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios. Os dois grupos estão fazendo patrulhamento da Autoestrada Lagoa-Barra, via que passa ao lado da Rocinha.

Também estão na favela policiais dos Batalhões de Choque, de Ações com Cães, de Operações Especiais (Bope), do 23º Batalhão (Leblon) e do Grupamento Aero-Marítimo (GAM).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.