Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

União da Ilha homenageia Ceará no carnaval do Rio de Janeiro

Neste ano, com o enredo ‘A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu’, do carnavalesco Severo Luzardo, a Ilha optou por homenagear dois cearenses de destaque nas letras – Rachel de Queiroz e José de Alencar

Fernanda Nunes e Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2019 | 03h26

E “Padim Ciço” sobrevoou a Marquês de Sapucaí sobre um drone, para abençoar a passagem da Ilha do Governador na avenida. O padroeiro nordestino voador foi o ponto alto do desfile da escola de samba, o quarto deste domingo, 4, de encerramento de disputa entre as agremiações do grupo especial. 

+ Acompanhe os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro 

Em aparições de poucos minutos, o drone alcançava até 20 metros de altura. Sua passagem levava  o milagre à comissão de frente, como água em abundância no sertão e o renascimento de peixes. 

Neste ano, com o enredo ‘A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu’, do carnavalesco Severo Luzardo, a Ilha optou por homenagear dois cearenses de destaque nas letras – Rachel de Queiroz e José de Alencar. 

O regionalismo – das rendas, tecidos de chitão e bandeirinhas juninas – marcaram a apresentação. Com simplicidade, a agremiação apostou no artesanato, presente em praticamente todos os carros.   

A bateria, também fantasiada de Padre Cícero, inovou ao misturar samba, forró e xaxado, e inseriu até mesmo o triângulo e a sanfona ao conjunto de instrumentos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.