Adriana Moreira/Estadão
Adriana Moreira/Estadão

Vazamento de esgoto contamina praias em Arraial do Cabo

Tubulação se rompeu durante tempestade; nesta quarta, duas praias foram liberadas para banho

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2019 | 17h28

RIO - Duas das quatro praias de Arraial do Cabo, município da região dos Lagos fluminense que estavam impróprias para banho desde a última sexta-feira, 25, foram liberadas nesta quarta, 30: a praia do Forno e as prainhas do Pontal do Atalaia já podem ser usadas pelos banhistas. A Prainha e a Praia dos Anjos continuam impróprias.

Essas quatro praias foram poluídas porque uma tubulação que recolhe a água da chuva e leva até a lagoa do Parque Público se rompeu durante tempestade que atingiu Arraial do Cabo no dia 25. Embora a tubulação seja feita para a água da chuva, recebe grande quantidade de esgoto, por meio de ligações clandestinas. Com o rompimento, a água poluída da lagoa se espalhou primeiro pela Praia dos Anjos e em seguida por outras vizinhas. Praias consideradas paradisíacas, como as prainhas do Pontal do Atalaia, ficaram com água escura, totalmente diferente do habitual.

Na quarta-feira, o Ministério Público Federal (MPF) impetrou ação civil pública contra a prefeitura de Arraial do Cabo, a Empresa de Saneamento de Arraial do Cabo (Esac), a Prolagos S/A Concessionária de Serviços Públicos de Água e Esgoto e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea). O órgão cobra medidas para impedir maiores danos ambientais após o vazamento de esgoto nas praias de Arraial. 

O MPF requisitou ao município que apresente relatório sobre os danos ambientais causados pelo rompimento da tubulação, apontando os responsáveis pela manutenção e o estado de conservação da rede como um todo, além de adotar medidas para impedir novos rompimentos. Também foi pedido que, no prazo de cinco dias, sejam instaladas placas informativas nas praias informando as condições de balneabilidade e eventuais riscos para a saúde humana.

Em nota emitida na última segunda-feira, 29, a Prolagos informou que “em Arraial do Cabo, um dos pontos mais prejudicados foi a Prainha, que em função do rompimento da rede de drenagem pluvial, sob responsabilidade da prefeitura, recebeu a água represada na lagoa do Parque Público”. 

A nota continua: “Em atendimento à solicitação da prefeitura, a Prolagos coletou amostras de água na Prainha e Praia dos Anjos na tarde desta segunda-feira. A amostra será enviada para um laboratório credenciado pelo Inea, que vai analisar a suspeita de contaminação causada pela descarga da rede de drenagem pluvial causada pelo excesso de chuva na sexta-feira à noite. O resultado deverá sair em 20 dias e será encaminhado para a prefeitura”.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.