Veja como seria uma ação com o Exército em um morro do Rio

Táticas desenvolvidas no Haiti podem ser aplicadas em eventual ação nas favelas cariocas

Tahiane Stochero, do estadao.com.br,

06 Setembro 2007 | 20h14

O coronel Barroso Magno, que comandou operações das tropas brasileiras na pacificação da região considerada pela ONU como a mais violenta do Haiti, Cité Soleil, explica como eram as operações e como seria uma eventual ação com a participação do Exército em um morro do Rio de Janeiro. Ele defende a integração entre todos os órgãos de segurança pública e a permanência dentro da área dos criminosos como fatores de sucesso. Veja também: Exército tem mapeamento do crime organizado no Rio Defesa estuda mudar a lei para emprego do Exército no Rio Exército treiNa em morro carioca Uma ronda na região mais violenta do HaiTi - Com dados de inteligência, a primeira coisa é analisar a situação, identificar as áreas de maior interesse, qual são as áreas mais difíceis de se invadir e o local onde uma operação provocaria maior impacto psicológico sobre os bandidos e repercussão na sociedade. Estabelece-se, então, uma prioridade. - Empenho militar: os combatentes precisam acreditar no que estão lutando, ter treinamento, determinação, comprometimento. "Não adianta dar o melhor equipamento se a tropa não é pegadora, não tem ânimo. Eles precisam ter aquele brilho no olhar". - A ação, prioritariamente, ocorre durante a madrugada, quando as pessoas estão em casa dormindo, para evitar-se "danos colaterais": baixas e feridos inocentes. - Escolhida a área, é realizado um planejamento de como será a operação. A primeira parte é o isolamento da área, impedindo a chegada de munição aos criminosos, fechando as vias de acesso. "Se chega arma pela Baía de Guanabara, a Marinha e a Polícia Federal fecham. Se chega pela avenida (Presidente) Dutra, a Polícia Rodoviária faz blitzes e pega. A idéia é sufocar os bandidos e deixá-los sem saída", diz o coronel. - Depois do isolamento, cerca-se o morro de forma mais restrita: ninguém entra e ninguém sai sem ser revistado, negando aos bandidos a liberdade de ação. Acuados, eles sentem a pressão e reagem. - A estratégia da operação é decidida com base nas informações sobre o terreno e o inimigo. Normalmente, é melhor descer o morro, pois se está combatendo em vantagem. Para isso, pode-se usar helicópteros para uma descida ou iludir os criminosos: enquanto alguns militares avançaram por um lado, outros vão por outro. A estratégia é ocupar o terreno, revistando casa a casa, sem pressa. - Caçadores (snipers), atiradores que conseguem acertar um alvo a até 600 metros, são estrategicamente posicionados em locais altos: com visão ampla, eles avistam o inimigo, podendo eliminá-lo ou alertar os companheiros em terra. Se a distância é maior, os caçadores vão buscar o alvo com a luneta e tentam acertar o inimigo o mais próximo possível. Um tiro a alguns palmos ou metros de distância consegue aterrorizar o oponente, que fica perdido, sem saber de onde vem o perigo. - Ação diversionária: incursões coordenadas simultâneas, iludindo os criminosos sobre a real intenção dos militares. "A gente tentava dar um drible, usava a ginga brasileira. Nunca fazia a mesma coisa, inovava sempre. Enquanto eles achavam que a gente queria algo e tentavam se defender, estávamos tomando um outro local. Quando os bandidos percebiam qual era realmente nossa intenção, já era tarde demais", lembra Barroso Magno. - Instalação de pontos-fortes: prédios altos, utilizados até então pelos bandidos, tornam-se quartéis dos militares dentro da área. De 10 a 30 homens são colocados em cada ponto-forte. O objetivo é a permanência 24 horas por dia na área e o aumento contínuo da área de influência, com patrulhas. - Ações de informação pública: divulgação dos resultados, mostrando para a população que há avanças, em busca de motivação e comprometimento de toda a sociedade na guerra contra o crime e pressão sobre os criminosos. - Ações sociais: a população precisa perceber que algo está mudando no seu dia a dia. O que a comunidade precisa? No Haiti, as tropas distribuíam água, comida, jogava futebol, realizava aulas de esportes, línguas, artes. É a conquista de corações e mentes.

Mais conteúdo sobre:
haiti exército rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.