Tiago Pacheco
Tiago Pacheco

Vigilantes são baleados no estacionamento da prefeitura do Rio

Houve troca de tiros e perseguição após assalto a carro-forte; suspeitos estavam fortemente armados e levaram malote

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo, e Lucas Gayoso, especial para o Estado

07 de junho de 2017 | 09h46
Atualizado 07 de junho de 2017 | 12h45

RIO - Um assalto a um carro-forte na sede administrativa da prefeitura do Rio de Janeiro, na Cidade Nova, na região central da capital fluminense, deixou dois vigilantes feridos e provocou pânico entre servidores que chegavam para trabalhar. O crime aconteceu às 8h30, quando cinco homens armados renderam os vigilantes, que chegavam para abastecer os caixas eletrônicos do prédio anexo do Centro Administrativo São Sebastião. Os seguranças reagiram e houve intensa troca de tiros. 

"A gente ouviu muitos tiros. Teve tiro de escopeta da segurança patrimonial, mas também ouvimos rajadas de fuzil. Eu tinha passado alguns segundos antes, e já estava na minha sala. As pessoas entraram em pânico, se jogaram no chão, algumas se esconderam sob as mesas", contou o agente de Fazenda Tiago Pacheco, de 27 anos.

Os tiros atingiram as janelas e a fachada do prédio anexo. Ali funciona a Secretaria Municipal de Fazenda e o setor de atendimento do Previ-Rio. Como o crime aconteceu muito cedo, ainda não havia público no local.

Os assaltantes falsificaram uma autorização da prefeitura, usada em carros oficiais, e tiveram acesso ao estacionamento. Eles estavam em um veículo com placa clonada, roubado em 27 de abril em Campinho, na zona norte.

Quando o carro-forte chegou, os criminosos anunciaram o assalto e iniciaram o tiroteio. Um dos vigilantes foi atingido na coxa e o outro no braço. Os assaltantes fugiram levando um malote com R$ 550 em moedas. Deixaram para trás 12 carregadores de fuzil 762.

Câmeras de segurança

O diretor de operações da Guarda Municipal, inspetor José Ricardo Soares, informou que o sistema de segurança ainda está sendo analisado para saber se as câmeras do Centro de Operações Rio (COR) estavam voltadas para o local em que houve o assalto.

Os vigilantes aguardaram por cerca de 20 minutos a chegada do socorro e foram levados para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro. O segurança ferido na coxa está em observação no Setor de Ortopedia; o vigilante atingido no braço está no centro cirúrgico.

Para o comandante do 4º Batalhão (São Cristóvão), Mauro Fliess, os assaltantes agiram com "audácia impressionante".

"Eles usaram um carro clonado, falsificaram um cartão de estacionamento. Com certeza sabiam a dinâmica do carro-forte, porque chegaram antes e ficaram esperando para a abordagem", afirmou Fliess.

Em nota, a prefeitura informou que a Secretaria Municipal de Ordem Pública vai "incrementar o  sistema de câmeras já existente e solicitar à Polícia Militar o reforço no policiamento na região". 

Em fevereiro, assaltantes também invadiram o Centro Administrativo São Sebastião e arrombaram três caixas eletrônicos com maçaricos. Era um domingo e os criminosos ficaram por cerca de uma hora na sede da prefeitura. O sistema de câmeras estava quebrado.

Mais conteúdo sobre:
Rio de JaneiroPolícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.