André Borges/AFP
André Borges/AFP

Vila Cruzeiro: policiais do Rio entregam armas e admitem tiroteios em área onde 10 pessoas morreram

Operação na favela terminou com 23 mortos; quase metade das vítimas não tinha processos judiciais criminais

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2022 | 19h03

RIO - Passados três dias da operação policial que deixou 23 pessoas mortas na Vila Cruzeiro, na zona norte do Rio, até esta sexta-feira, 27, nove policiais militares e três policiais rodoviários federais já prestaram depoimento à Delegacia de Homicídios (DH) do Rio de Janeiro. Eles entregaram suas armas – 12 fuzis – e admitiram a participação em tiroteios na localidade conhecida como Vacaria, numa região de mata onde dez pessoas foram mortas. A DH vai investigar se algum dos policiais matou alguém que já havia se rendido ou estava sem condições de reagir, o que configuraria crime.

Outros policiais ainda devem depor, e a Polícia Civil investiga também as circunstâncias das mortes das outras 13 vítimas. Segundo a Polícia Militar, só uma das vítimas era inocente – a cabeleireira Gabriella Ferreira da Cunha, de 41 anos, foi atingida por uma bala perdida dentro da própria casa, na favela da Chatuba, vizinha à Vila Cruzeiro.

Como Estadão mostrou na quinta-feira, 26, 11 das 23 vítimas não tinham processos judiciais criminais contra si, segundo pesquisa feita pela reportagem nos sites do Poder Judiciário estadual. Dos 12 que respondiam ou já responderam a processos desse tipo, encerrados ou ainda em curso, 9 eram acusados de cometer crimes no Estado do Rio de Janeiro, 2 respondiam a processos criminais no Estado do Pará e 1 no Estado do Amazonas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.