ALEXANDRE VIEIRA/AGÊNCIA O DIA
ALEXANDRE VIEIRA/AGÊNCIA O DIA

Garota que levou pedrada faz exame no IML e vai à Alerj

Menina de 11 anos foi agredida na rua enquanto caminhava com trajes típicos do candomblé com um grupo de pessoas

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

17 de junho de 2015 | 18h32

RIO - A estudante de 11 anos apedrejada enquanto caminhava vestida com trajes típicos do candomblé, neste domingo, 14, na Vila da Penha (zona norte do Rio), realizou na manhã desta quarta-feira, 17, exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML) do Rio. Até a noite, a Polícia Civil não havia identificado os dois homens acusados de lançar a pedra que feriu a menina na cabeça.

Logo após o ataque, a estudante havia dito que não sairia mais às ruas com roupas brancas e o torso (turbante) característico do candomblé. Incentivada a continuar usando os trajes, ela mudou de ideia. Nesta quarta, ela foi ao IML trajada com vestes religiosos, acompanhada pela avó, a mãe de santo Katia Marinho, de 53 anos, e pela mãe, que é evangélica.

Após o exame, a menina foi à Assembleia Legislativa, a convite da Comissão de Direitos Humanos, e acompanhou a sessão. Em discursos, vários deputados - até mesmo da bancada evangélica - condenaram a agressão à adepta do candomblé. O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) lançou moção de repúdio aos agressores, que ficará nesta quinta-feira, 18, à disposição dos deputados dispostos a assiná-la.

Em 18 de agosto, a Assembleia promoverá audiência pública, agendada antes da agressão, para discutir a intolerância religiosa no Rio de Janeiro.

O caso. A menina caminhava pela Avenida Meriti, acompanhada por sete pessoas que haviam saído de um evento religioso, quando dois homens que estavam em um ponto de ônibus do outro lado da rua, com Bíblias sob os braços, começaram a insultá-los. Segundo a avó, os agressores gritaram “Sai, demônio, vão queimar no inferno, macumbeiros” e lançaram a pedra, que bateu em um poste antes de atingir a menina. Ela desmaiou. Os criminosos fugiram em um ônibus.

A 38ª Delegacia de Polícia (Irajá), que investiga o caso, tenta localizar o ônibus para examinar as imagens da câmera interna, na tentativa de identificar os agressores.


Tudo o que sabemos sobre:
Rio de Janeirocandomblé

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.