Vítimas são atendidas em hospital de Nova Iguaçu

Segundo médicos, a maioria das vítimas chegam com fraturas nos membos, lesões e face e hemorragia

Clarissa Thomé, do Estadão,

30 Agosto 2007 | 20h09

Um passageiro gravemente ferido foi socorrido de helicóptero e levado para o Hospital Miguel Couto, na zona sul do Rio. "As vítimas estão chegando com fraturas nos membros, lesões de face, hemorragia abdominal. São ferimentos típicos da desaceleração do trem por causa da batida", afirmou o diretor-geral do Hospital da Posse, Marcos de Sousa. "Nós pedimos reforço dos médicos que estavam de folga ou que estavam deixando o plantão, principalmente das equipes de radiologia".   Veja também: Governo encerra resgate no acidente com trens  Laudo do choque de trens sai em 10 dias  Veja outros acidentes no Brasil e no mundo  Empresa vai dar informações do acidente por telefone    O secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, chegou ao local do acidente por volta das 18 horas. "As oito vítimas fatais foram retiradas das ferragens e estamos aguardando o guindaste da Supervia para que o Corpo de Bombeiros possa fazer a inspeção final. Não temos números fechados dos feridos porque muitas pessoas foram socorridas por civis. Estamos fazendo o levantamento nos postos", afirmou Côrtes.   De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Pedro Machado, as dificuldades de resgate foram grandes. "Anoiteceu rápido e foi preciso trazer geradores para iluminar o local. Acidentes na via férrea são complicados porque o local é de difícil acesso.   O presidente do Sindicato dos Ferroviários, Valmir Lemos, disse que o acidente ocorreu por problemas na sinalização da via férrea. "Nós fazemos essa denúncia há anos: a manutenção da via férrea é precária. O acidente ocorreu por problemas na sinalização", afirmou.   O diretor de Operações da Supervia, João Gouvêa, disse que só após a perícia será possível identificar as causas do acidente. "Os dois maquinistas não faleceram e serão úteis para esclarecer o que houve. O laudo deve sair em 10 dias. Só então saberemos detalhes como a velocidade das composições", afirmou Gouvêa.   Apesar do acidente, os trens da Central do Brasil continuaram a trafegar normalmente. Apenas o ramal de Japeri ficou parcialmente interditado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.