1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Aeronautas ameaçam parar por tempo indeterminado no dia 12

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 16h 35

Sindicato realizará nova assembleia no dia 11 e afirma que, se não houver acordo até a data, fará paralisações diárias das 6h às 8h

Aeronautas e aeroviários que realizaram uma paralisação de duas horas na manhã desta quarta-feira, 3, prometem iniciar uma greve, por tempo indeterminado, em todo o País a partir do dia 12, se não houver acordo com as empresas. 

"Decidimos suspender a greve durante o carnaval, mas, se não houver acordo até a quinta (11), no dia da assembleia, paralisaremos a partir de sexta por tempo indeterminado", disse o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA), Rodrigo Spader. De acordo com ele, as próximas paralisações devem acontecer sempre da mesma forma: das 6h às 8h, nos mesmos aeroportos. A categoria também aguarda a realização de uma audiência de conciliação no Tribunal Superior do Trabalho, ainda sem data prevista.

Paralisação de aeroviários e aeronautas
Rafael Arbex/Estadão
Ato no Aeroporto de Congonhas

Pilotos de avião, comissários e agentes em terra fizeram uma paralisação parcial em 12 aeroportos brasileiros

Em nota, o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) afirmou que nos últimos dez anos os funcionários receberam reajustas acima da inflação. Destacou ainda que já foram feitas seis propostas desde o início das negociações e todas foram recusadas.

A paralisação atingiu os Aeroportos de Congonhas (foto) e Cumbica, em São Paulo, Santos Dumont e Galeão, no Rio de Janeiro, Viracopos, em Campinas, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza

A paralisação atingiu os Aeroportos de Congonhas (foto) e Cumbica, em São Paulo, Santos Dumont e Galeão, no Rio de Janeiro, Viracopos, em Campinas, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza

Na manhã desta quarta-feira, pilotos de avião, comissários e agentes em terra fizeram uma paralisação parcial em 12 aeroportos brasileiros. A estimativa dos sindicalistas é de que ao menos 200 voos tenham sido paralisados no período. As empresas aéreas informaram que ações de contingência foram adotadas para minimizar o impacto na operação aérea e manter a normalidade do sistema.

Segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), até o fim da paralisação, 70 voos foram cancelados e 103 atrasaram, de um total de 405. Congonhas foi o aeroporto mais afetado, onde, das 35 partidas previstas, 17 foram canceladas, além de 11 atrasos. O reflexo dos atrasos seguia até as 11h, quando a Infraero registrou 102 voos atrasados no País, 10 deles em Congonhas.

A Azul, em nota, disse que a empresa não está divulgando os números exatos de voos impactados, mas ressalta que "todos os clientes estão recebendo assistência". A Avianca  apontou que 13 de um total de 32 operações foram impactadas pela greve de aeronautas e aeroviários, mas que os passageiros que tiveram voos cancelados terão "reacomodações nos próximos voos disponíveis". A Gol informou que 59 voos sofreram atrasos maiores do que 30 minutos. "Não houve nenhum cancelamento hoje por causa da paralisação". Segundo a empresa, "para amenizar o desconforto aos clientes", a companhia fez previamente 14 cancelamentos e a reprogramação de outros voos. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX