Deputado Chico Alencar/Reprodução
Deputado Chico Alencar/Reprodução

População acende luzes em homenagem a Marielle e Anderson

Câmara dos Vereadores, no Centro, onde vereadora cumpria mandato parlamentar, foi um dos pontos de concentração do movimento

Roberta Jansen, Roberta Pennafort e Renata Batista, O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 20h46

RIO - A morte da vereadora  Marielle Franco (PSOL) e do seu motorista Anderson Gomes foi lembrada no início da noite desta segunda-feira, 2, em diferentes pontos do Rio de Janeiro, com o evento Luzes para Marielle e Anderson. Via redes sociais, a população foi convidada a acender uma luz – vela, celular, isqueiro -- às 19 horas para as vítimas do crime que aconteceu em 14 de março.

+ 'Quanto tempo mais passa pior o resultado’, diz Janot sobre caso Marielle

A Câmara dos Vereadores, no centro, onde Marielle Franco cumpria mandato parlamentar, foi um dos pontos de concentração do movimento. A companheira de Marielle, a arquiteta Mônica Benício, estava em frente à escadaria da Câmara, onde acendeu uma vela. No local do crime, no Estácio, várias velas foram acesas na calçada.

O deputado estadual do PSOL Marcelo Freixo afirmou que estaria em frente à Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), também no centro, antes de seguir para um evento com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Circo Voador. Nas escadarias da Alerj, também foram acesas velas. “É uma luz para este País, para que a gente possa ter um momento de mais clareza”, disse o deputado.

+ PSOL entra com ação contra desembargadora que acusou Marielle de ligação com bandidos

As homenagens não se limitam ao Rio de Janeiro. Elas foram confirmadas em diversos Estados (São Paulo, Paraná, Minas e Piauí, entre eles) e em pelo menos quatro países: Estados Unidos, Itália, Peru e Equador.

'Crime foi atentado à democracia'

A arquiteta Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco (PSOL), disse que o crime foi “só mais um dos atentados à democracia” que o País está sofrendo. Ela participou de um ato com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), cujo habeas corpus será julgado pelo Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira, 4.

“Eu estou aqui na pior condição da minha vida, de viúva. Esse era o lugar de fala da minha mulher. Estar aqui, falando em nome dela, é uma prova de amor. O assassinato da Marielle foi só mais um dos atentados à democracia que a gente vem sofrendo. É inaceitável”, disse Monica, ladeada por Lula e parlamentares de partidos de esquerda, PT, PSOL, PCdoB, PCO, PSB e PDT.

+ A morte de Marielle, intervenção e crise política no Rio

“Não é com a morte do corpo da Marielle que a voz dele será calada, porque a Marielle está em cada um de nós. E nós não sairemos das ruas enquanto as nossas mulheres negras, os favelados, o feminismo não for a revolução. Eles mataram uma mulher e ressuscitaram a esperança”, ela afirmou.

Depois puxou um grito de guerra que vem sendo repetido nas manifestações pela memória de Marielle: “Por Marielle eu digo não/ eu digo não à intervenção”. A vereadora era contrária à intervenção federal na segurança, em vigor desde 16 de fevereiro, por acreditar que a medida penaliza a população das favelas.

O ato no Circo Voador, pela liberdade de Lula, foi batizado de “Em defesa da democracia – Justiça para Marielle”, menção à vereadora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.