Portal dos Marcos Santos/EFE
Portal dos Marcos Santos/EFE

Queda de avião do Greenpeace no Amazonas mata sueca

Aeronave, de modelo Cessna 208 anfíbio, levava cinco pessoas e caiu na região do Arquipélago de Anavilhanas, em Novo Airão

Giovana Girardi, Marco Antônio Carvalho, O Estado de S. Paulo, e Márcia Oliveira, especial para o Estado

17 Outubro 2017 | 17h48
Atualizado 17 Outubro 2017 | 19h53

SÃO PAULO - Uma aeronave da organização não governamental (ONG) Greenpeace caiu na manhã desta terça-feira, 17, no Rio Negro, no município de Novo Airão, no Amazonas. A ocorrência foi confirmada pela Força Aérea Brasileira (FAB) e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). De acordo com o Greenpeace, havia cinco pessoas a bordo e uma delas - uma sueca - morreu. 

+++ Queda de avião em área residencial deixa três mortos em São José do Rio Preto

"Neste momento, estamos concentrando todos os nossos esforços em prestar assistência às vítimas e suas famílias e também em colaborar com os órgãos competentes que estão investigando o fato. O Greenpeace está em luto", informou a ONG por meio de nota.

O avião, de modelo Cessna 208 anfíbio, pousava em uma das ilhas do Arquipélago de Anavilhanas. Uma equipe da FAB foi destacada para acompanhar e investigar as circunstâncias da ocorrência. 

+++ Queda de avião causa mortes de piloto e empresário paulista em MS

Segundo o proprietário do barco Comandante Natal, que auxiliou no resgate dos sobreviventes, o trem de pouso do avião teria travado, o que ocasionou o acidente. 

Novo Airão está localizado na região metropolitana de Manaus e tem 18 mil habitantes. Dentro do município está o Parque Nacional de Anavilhanas, considerada área federal de proteção com arquipélagos fluviais. 

A FAB informou em nota que o 7.º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA 7), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), vai realizar a ação inicial da investigação do acidente.

"A ação inicial é o começo do processo de investigação. São feitos registros fotográficos, partes da aeronave são retiradas para análise, relatos de testemunhas e documentos são colhidos", informou a FAB. "A investigação realizada pelo Cenipa tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram." 

No registro da Anac, consta que o avião, fabricado pela Cessna em 2009, tem como proprietário o Greenpeace Brasil. A classe é apontada como "Anfíbio 1 motor turbohélice" e decola com até 3,7 toneladas. A sua categoria é para serviços privados. A data de validade do certificado de aeronavegabilidade é 10 de agosto de 2021 e a inspeção anual de manutenção vale até o dia 3 de agosto de 2018. 

A Anac informou que, conforme dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) e o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) da aeronave estavam válidos, ou seja, a aeronave estava regular e, portanto, apta a voar.

Em nota, o Consulado da Suécia em Manaus afirmou que está acompanhando todo o caso, tomando as providências que a situação requer e aguardando as informações oficiais da Embaixada da Suécia, em Brasília. A identidade da turista ainda não foi revelada. 

Acidente

Em 23 de julho de 2015, uma aeronave da organização sofreu um acidente no Estado. O Cessna Caravan 208 de prefixo PR-PAZ caiu no Rio Negro, em Manaus. Na data, o piloto e um passageiro tiveram ferimentos leves.  

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.