Corpo de Bombeiros de MG
Corpo de Bombeiros de MG

Dois ônibus são queimados em 4º dia de ataque em Minas Gerais

Desde domingo, 60 ônibus foram queimados ou depredados em 29 municípios, incluindo BH; governador Fernando Pimentel admitiu que ataques são retaliação a ação em presídios e estão ligados a facção criminosa

Leonardo Augusto e Paulo Roberto Netto, especial para O Estado

06 Junho 2018 | 09h14
Atualizado 06 Junho 2018 | 14h30

BELO HORIZONTE - Mais dois ônibus foram queimados na madrugada desta quarta-feira, 6, em Minas Gerais no quarto dia consecutivo de ataques no estado. Segundo a Polícia Militar, os incêndios de hoje ocorreram em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana. Um dos veículos era de linha, o outro, de turismo. Ninguém ficou ferido.

Até o início da tarde desta quarta-feira, 60 ônibus foram queimados ou depredados em 29 municípios de Minas, incluindo Belo Horizonte. O balanço anterior, divulgado na terça-feira durante coletiva de imprensa com o governador Fernando Pimentel, registrava 51 ocorrências no Estado. Até o momento, 39 pessoas foram presas e 20 menores foram apreendidos. Além disso, a Polícia Militar também apreendeu duas armas de fogo, materiais para queima e celulares.

As ocorrências em Neves nesta madrugada são semelhantes às verificadas nos dias anteriores. Os criminosos param os ônibus, geralmente de madrugada, os motoristas são rendidos e retirados e os veículos são incendiados. 

+++ PCC ordena atentados simultâneos em RN e MG e põe outros Estados em alerta

Os incêndios da madrugada desta quarta acontecem um dia após o governador do estado, Fernando Pimentel (PT), afirmar que os ataques a coletivos e prédios públicos em Minas estão ocorrendo em retaliação a um suposto rigor do funcionamento do sistema prisional e à existência de bloqueadores de celular em penitenciárias.

Ele também admitiu que os ataques foram ordenados por uma facção criminosa, mas não especificou qual. Na segunda-feira, 4, o Estado mostrou que investigadores da polícia tinham a informação de que os ataques foram feitos a mando do Primeiro Comando da Capital (PCC)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.