MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

Moradores temem saques e voltam a Bento Rodrigues

Sobe para 19 número de desaparecidos em Minas; buscas por pessoas ilhadas foram retomadas nesta manhã

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

07 Novembro 2015 | 09h26

Atualizada às 10h36

MARIANA - Moradores do distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), se organizam na manhã deste sábado, 7, para voltar ao vilarejo para tentar buscar bens que possam ter escapado da destruição. Há um temor generalizado com relação a saques nas casas que escaparam - 22 imóveis na parte alta. "Tinha uma criaçãozinha, com vacas, galinhas e uns cavalos. Preciso ver como estão", relata o comerciante Agnaldo Pereira, de 42 anos. A Prefeitura estimava, na sexta-feira, que 90% das construções da cidade estavam destruídas, mas os imóveis restantes, sem água nem energia, também foram desocupados pelo poder público. 

As caravanas dos moradores partem dos hotéis onde os moradores passaram a noite de sexta para sábado. Nesses locais, eles estão organizando vaquinhas para comprar berços e fraldas para os bebês de Bento Rodrigues. "Não dá para esperar essa Samarco", declarou Aparecida de Jesus,  de 58 anos, uma das organizadoras da vaquinha.

As buscas por pessoas ilhadas foram retomadas nesta manhã. A Prefeitura divulgará ainda nesta manhã um balanço sobre as atividades da madrugada.

 

O prefeito de Mariana, Duarte Júnior (PPS), afirmou que a Prefeitura confirmou mais seis desaparecidos no distrito de Bento Rodrigues, fazendo subir para 19 as pessoas que supostamente estão sob a lama que destruiu a cidade. As 13 pessoas que já estavam desaparecidas eram funcionários da empresa Samarca. Agora, as equipes buscam mais duas crianças, três adultos e uma pessoa idosa

"Vamos tentar localiza-las de helicóptero", disse o prefeito, que por enquanto descarta o acesso de máquinas para escavar o local. Não há cães farejadores empenhados no resgate.

Cenário. O risco de rompimento das barragens do Fundão e Santarém da mineradora Samarco em Mariana (MG) foi alvo de alerta em 2013 pelo Instituto Prístino, instituição particular sem fins lucrativos que realizou um estudo na região a pedido do Ministério Público Estadual (MPE).

Análises do Serviço Geológico do Brasil indicam a possibilidade de os rejeitos de minério chegarem ao Espírito Santo nas próximas 48 horas. É possível que a enxurrada de lama já tenha atingido afluentes do Rio Doce, 100 quilômetros longe de Mariana.

A lama lançada dos reservatórios deixou cerca de 300 famílias desabrigadas. Três distritos de Mariana foram atingidos – Camargos, Paracatu de Baixo e Bento Rodrigues –, além da cidade de Barra Longa. Pelo menos 500 pessoas tiveram de ser resgatadas só de Bento Rodrigues, que fica mais perto da mina da Samarco, segundo balanço divulgado ontem.

Mais conteúdo sobre:
MarianaSamarcoBento Rodrigues

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.