Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

‘O Exército não matou ninguém’, diz Bolsonaro sobre morte de músico após 80 tiros no Rio

Depois de seis dias de silêncio, Bolsonaro classificou como ‘incidente’ o fuzilamento do carro de Evaldo Rosa dos Santos por militares

Renato Onofre - enviado especial a Macapá, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2019 | 14h17

Depois de seis dias de silêncio, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que foi um "incidente" a morte do músico Evaldo Rosa dos Santos, de 46 anos, na tarde do último domingo, 7, quando o carro da família foi metralhado por 80 tiros disparados por militares do Exército no Rio. Em entrevista durante inauguração do aeroporto de Macapá, ele disse que o Exército "não matou ninguém" e que a instituição não pode ser acusada de ser "assassina".

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
'O Exército não matou ninguém. O Exército é do povo. A gente não pode acusar o povo de assassino. Houve um incidente. Houve uma morte. Lamentamos ser um cidadão trabalhador, honesto'
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jair Bolsonaro, presidente da República

No último domingo, dez militares dispararam contra um veículo em Guadalupe, na zona norte do Rio, que supostamente foi confundido com um automóvel em que estariam criminosos. No carro estavam o músico e sua família. Evaldo morreu no local e duas pessoas ficaram feridas. 

Nove militares foram presos. Na quinta-feira, eles entraram com um pedido de liberdade no Superior Tribunal Militar (STM). O habeas corpus foi sorteado para o ministro Lúcio Mário de Barros Góes, general do Exército. O teor do pedido de liberdade não foi divulgado. 

"Está sendo apurada a responsabilidade. No Exército sempre tem um responsável. Não existe essa de jogar para debaixo do tapete", afirmou Bolsonaro. 

Pronunciamento oficial após os 80 tiros no Rio 

Na terça-feira, o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, tinha dado a única declaração em nome da Presidência: "O presidente confia na Justiça Militar, no Ministério Público Militar e, a partir desse pressuposto, ele identifica e solicita, até dentro da possibilidade, já que há independência de poderes, que esse caso seja o mais rapidamente elucidado", afirmou o porta-voz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.