FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Alexandre de Moraes nega pedido de liberdade da 'Viúva da Mega-Sena'

Adriana Ferreira Almeida Nascimento está presa desde julho sob acusação de envolvimento na morte de seu ex-marido, o lavrador Renné Senna, que ganhou R$ 52 milhões no sorteio de 2007

Paulo Roberto Netto, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2018 | 22h22

SÃO PAULO - O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes negou pedido de liberdade apresentado pela defesa de Adriana Ferreira Almeida Nascimento, a "Viúva da Mega-Sena", condenada e presa por envolvimento na morte de seu ex-marido após ele ganhar R$ 52 milhões em 2007

Segundo o ministro, a reclamação apresentada pela defesa de Adriana "não vinga" pois "não se amolda a qualquer das hipóteses legais e jurisprudenciais em que é cabível a presente ação". Reclamações apresentadas ao STF buscam garantir o cumprimento de uma decisão da corte e não reverter decisões de instâncias inferiores, detalhou o ministro. 

No pedido apresentado à Corte, os advogados pediam liminar para suspender o cumprimento da pena decretado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Em dezembro de 2016, Adriana foi condenada a 20 anos de prisão, mas foi presa somente em junho deste ano no Rio de Janeiro. Ela é acusada de participar da morte de seu ex-marido, o lavrador Renné Senna, que ganhou R$ 52 milhões na Mega-Sena em 2007.

O lavrador foi executado a tiros em janeiro de 2007 em Rio Bonito, na região metropolitana do Rio. Além de Adriana, outras cinco pessoas foram acusadas pelo crime. A polícia apurou que a viúva teria sido a mandante do assassinato após Senna dizer que iria excluí-la do testamento por causa de um caso extraconjugal.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.