Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Não será em 10 meses que a violência no Rio será resolvida, diz general

Comandante do Exército afirmou que está 'otimista e preocupado'; segundo ele, objetivo é deixar legado de mudança nas estruturas

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 18h29

RIO - O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, se disse otimista e preocupado com o cumprimento de metas pelo Exército brasileiro na intervenção federal que ocorre no Rio de Janeiro. Segundo ele, não serão em 10 meses que o problema da violência no Estado será solucionado.

+++ Exército vai deixar Vila Kennedy 'paulatinamente', diz Comando Militar do Leste

"Eu estou otimista e preocupado, confesso que muito preocupado pela incerteza de que vamos atingir todos os objetivos, mas a nossa determinação é sair e deixar o legado de uma mudança nas estruturas, de forma que elas tenham condições por si só", disse o general após participar nesta terça-feira, 20, da cerimônia de abertura do seminário do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Visão 2035: Brasil desenvolvido.

+++ Sem informar números, Marun diz que violência caiu no Rio

De acordo com o Villas Boas, as metas envolvem todo sistema de segurança pública, o sistema prisional, que ele chamou "chave", e a lei de execução penal.

+++ 'Quero confiar nas investigações da polícia', diz irmã de Marielle

"Toda a estrutura tem que se adequar à maneira efetiva como nós temos que atuar para atingir as estruturas do crime organizado, isso tudo vai demandar", afirmou. "Não serão solucionados nesses 10 meses restantes, isso vai ter que prosseguir."

Villas Boas ressaltou que o Rio de Janeiro tem mais de 800 comunidades e que a Vila Kennedy, na zona oeste da cidade, serviu como um "efeito demonstração".

"Nós temos que considerar que o Rio de Janeiro tem mais de 800 comunidades, nessa fase inicial vamos procurar ter uma ação mais extensiva possível, para nós conseguirmos melhorar a percepção da segurança pela população, mas o planejamento detalhado está com o interventor", explicou Villas Boas, referindo-se ao general Walter Braga Netto.

A morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), citada por ele em seu discursos no seminário do BNDES como um "assassinato terrível", teve o poder de polarizar a sociedade, na opinião do general.

"Esperamos que seja elucidado o mais rápido possível, mas rapidamente se estabeleceu uma rede de solidariedade internacional, nos colocou numa questão que extrapola a segurança pública, envolve igualdade racial, violência contra as mulheres", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.