Gilvan de Souza/Agência O Dia
Gilvan de Souza/Agência O Dia

Rio vai iniciar tratamento de água com carvão ativado

Etapa extra de filtragem começa nesta quinta-feira, 22, na estação de Guandu, na Baixada Fluminense. Com a medida, Cedae quer reduzir a presença de geosmina na água. População reclama do problema desde o começo de janeiro

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2020 | 16h35

RIO DE JANEIRO - A partir desta quinta-feira, 22, a água da Estação de Tratamento de Guandu, na Baixada Fluminense, começa a ser submetida a uma etapa extra de filtragem, com a pulverização de carvão ativado no reservatório. O objetivo é reduzir a presença de geosmina - um composto orgânico formado pela proliferação de algas, que deixa a água com cheiro e gosto de terra.

A Companhia de Águas e Esgotos (Cedae) não informou quando as pessoas vão perceber a diferença na qualidade da água nas torneiras. Em evento do programa Segurança Presente, na zona norte, o governador Wilson Witzel afirmou que dentro de uma semana a diferença já deve ser sentida pelos consumidores.

Na primeira semana de janeiro a população começou a reclamar do cheiro e do gosto da água. A Cedae detectou um aumento na presença de geosmina no reservatório - uma substância que não faz mal a saúde. Muita gente reclamou também do aspecto turvo da água que, segundo pesquisadores, não é causado pela geosmina. A Cedae não soube explicar o que poderia estar causando a turbidez. Em nota, a UFRJ alertou que poderia haver risco à saúde da população. Várias pessoas reclamaram de enjoos e disenteria.

Diante da polêmica, a Cedae resolveu submeter a água a uma etapa extra de filtragem. A montagem do equipamento foi concluída na terça-feira, 21, quando foram feitos testes elétricos e mecânicos no sistema. Nesta quarta, 22, foram feitos testes operacionais do sistema de aplicação de carvão ativado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.