“Tropas russas capturam pessoas com deficiência e usam como escudo humano”

“Tropas russas capturam pessoas com deficiência e usam como escudo humano”

Integrante da Assembleia Nacional das Pessoas com Deficiência da Ucrânia fala ao blog Vencer Limites sobre a guerra os esforços para retirar a população com deficiência das áreas de conflito.

Luiz Alexandre Souza Ventura

04 de março de 2022 | 12h36

Foto de Larysa Bayda, mulher ucraniana de pele branca e cabelos pretos, curtos. Está sentada atrás de uma mesa, falando.

“Um grupo de crianças cegas foi retirado de Kharkiv”, diz a ativista ucraniana Larysa Bayda. Foto: Reprodução.


“A situação é particularmente grave em comunidades onde pessoas com deficiência, juntamente com outros civis, tornaram-se reféns. As tropas russas não permitem que eles saiam e as usam como escudo humano em suas hostilidades militares”, afirma Larysa Bayda, integrante da Assembleia Nacional das Pessoas com Deficiência da Ucrânia (Національна Асамблея людей з інвалідністю України – HAIY), em entrevista exclusiva ao blog Vencer Limites.

Segundo a ativista, o acesso à internet é bastante limitado e a página da instituição está bloqueada, o que impede a atualização de informações. “Estou em extensa correspondência com vários países sobre paz e ajuda humanitária para pessoas com deficiência”, diz.

Bayda conta que, nesta sexta-feira, 4, houve vários bombardeios à Kiev, uma escola foi atingida em Zhytomyr e um grupo de crianças cegas foi retirado de Kharkiv.

“Um operador de telecomunicações ucraniano desapareceu em Kherson, os acessos estão cortados, cidades vizinhas estão sem água, comida e remédios. As pessoas não podem sair”, comenta.

Larysa Bayda afirma que há trens gratuitos saindo de Kiev e pessoas com deficiência, mulheres e crianças podem viajar para a fronteira dos países que acolhem refugiados ucranianos.

“Nas cidades e vilas que são menos bombardeadas, as organizações instalaram abrigos para receber pessoas com deficiência de outras comunidades”, completa.


Foto de Valery Sushkevich, homem ucraniano de pele branca, olhos claros e cabelos brancos. Ele veste o uniforme da Ucrânia e fala em evento dos Jogos Paralímpicos de Inverno.

Presidente da Assembleia Nacional das Pessoas com Deficiência da Ucrânia, Valery Sushkevich. Foto: Reprodução.


Na China – Nesta sexta-feira, 4, primeiro dia dos Jogos Paralímpicos de Inverno, em Pequim, o presidente da Assembleia Nacional das Pessoas com Deficiência da Ucrânia, Valery Sushkevich, fez um discurso sobre a situação no país.

“Nosso objetivo, nossa missão aqui, no evento esportivo mais importante do mundo neste momento, é unir, mobilizar o mundo inteiro para parar a guerra na Ucrânia. Estamos trabalhando nessa direção a cada minuto. Hoje, a Ucrânia é o mundo inteiro e o mundo inteiro é a Ucrânia”, disse Sushkevich.


LEIA MAIS:

“Pessoas com deficiência estão morrendo na Ucrânia sem chance de defesa”

Diretoras de dois orfanatos salvam crianças com deficiência durante bombardeios na Ucrânia

Sanções à Rússia bloqueiam recursos de instituições que cuidam de pessoas com deficiência na Ucrânia

Mulheres com deficiência fazem coquetéis molotov na Ucrânia

ONG consegue levar 35 pessoas com deficiência da Ucrânia para a Polônia

“Guerra pode dizimar a população com deficiência da Ucrânia”

“Guerra expõe antipatia da Ucrânia à população com deficiência”, diz Accessibility.com

Ator alemão lidera ação para resgatar pessoas com deficiência na Ucrânia

Pessoas com deficiência estão presas em Kiev

Guerra na Ucrânia já provoca abandono de pessoas com deficiência intelectual

“Situação das pessoas com deficiência na Ucrânia é terrível”, diz Fórum Europeu da Deficiência

ONU prevê deslocamento de 225 mil pessoas com deficiência na Ucrânia


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.